sábado, 31 de dezembro de 2011

Desejos e previsões para 2012


"Que 2012 seja um ano de realizações, de sucesso e felicidade no amor, na saúde e nas finanças."

 Essa é uma frase muito comum nos fins de ano, entretanto todos esses desejos talvez sejam apenas efeitos de uma série de eventos. Tenho uma notícia para você: não espere que esse mundo mude de acordo com a sua vontade porque ele não irá. Na verdade, o mais possível é que continue funcionando da mesma forma.

 Alcançar todos esses desejos exige a determinação e responsabilidade de um guerreiro. As tensões irão continuar existindo e, para estar perto da realização dos seus desejos, você tem que tomar uma atitude de se abrir, aceitar a vida e tomar ações que possam te fazer aprender e crescer como pessoa nessa existência.

 Em 2012, você continuará sendo um lutador de sua própria existência. Então, aceite as pancadas que a vida te dá e esteja pronto para também dar as suas pancadas na vida, por você mesmo e pelos outros.

 Que 2012 seja um ano que a responsabilidade do cuidado de si mesmo e do outro se torne primordial em seus pensamentos e atitudes, sem impor uma ditadura de regras, julgamentos e conversas desnecessárias do próximo e que o stress seja gerenciado para que aquilo que é verdadeiramente importante seja valorizado.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Choque de ordem e responsabilidade governamental

 Faz algum tempo atrás que vi uma cena que me impactou e me fez refletir em práticas que tem a finalidade de excluir. Muitas vezes, se encontram escondidas por trás de um discurso generalizante como o bem comum ou ordem. Agora, se formos pedir a definição desses termos, encontraremos uma explicação pautada em uma percepção pessoal ou de um determinado grupo. Como se fosse ser aplicável a todos.

 Policiais civis escoltados por policiais militares que empunhavam fuzis, carros para recolher restos de barracas de vendedores que, do seu jeito, buscam os recursos necessários para a sua sobrevivência. Se não for muito apelativo, me permitam apontar até uma sobrevivência em um mundo de desigualdades.

 Alguns, inclusive podem argumentar que existem vários empregos. Entretanto, a exigência do mercado de trabalho está cada vez mais alta e solicita níveis mais altos de escolaridade e especializações. Como alguém que não teve os recursos necessários do passado se capacitará hoje para ter um emprego que nem mesmo oferece condições de sustento de acordo com os padrões modernos? E além do mais, como haverá capacitação se a pessoa se encontra emaranhada pelo seu próprio modo de fazer o trabalho?

 Contudo, essas são apenas hipóteses. O que pode se tornar necessário são práticas que enfoquem o que está além do micro. As instituições, principalmente as de poder governamental, gastam recursos enormes quando o assunto é pequenos incêndios, feridas que se abrem mas que apontam para todo um processo. Os sintomas se se transformam na doença em si e, ao se tratar desses sintomas, acabam gerando mais males ao organismo, reforçando outros malefícios que se encontram latentes.

 Nesse processo, está presente mais do que o motivo de desordem pública com os vendedores ambulantes está presente uma série de fatores sociais que se presentificam na trilha deixada pela história. Para isso, se torna necessário identificar tais fatores, o que está presente na mentalidade do vendedor ambulante. Logo, se torna preciso investigar quem é este e cada integrante que compõe essa classe. Assim, poderia se tomar atitudes mais aprofundadas e embasadas e não aquilo que é superficial e corresponde a um retorno ao mesmo, gerando um ciclo de gastos de energia para ambos os lados.

 Enquanto, forem utilizadas medidas de coerção a partir do uso indireto de armas, teremos mais e mais retornos desse mesmo uso. Uma vez que não se procura estar com o sujeito, teremos a presença de práticas que levam a normatização para uma determinada finalidade. Uma forma de doença que se encontra escondida por trás dos discursos generalizantes e excluem de si, as implicações de seus atos.

 Nisso, temos a importância de se assumir a responsabilidade em oferecer o básico de recursos àqueles que estão enfraquecidos, tomando cuidado com o paternalismo. O que me refiro é sobre a responsabilidade de conscientizar a própria responsabilidade, oferecendo as oportunidades e o suporte necessário a fim de que aquilo que corresponde às normas de cidadania seja cumprido.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Ética e responsabilidade

 O estudo da Ética, se situa no campo de valores morais do ser humano, ou seja, aquilo que corresponde ao que se estabelece como ideal, ao que deve ser dentro de um determinado ponto de vista. Podemos perceber a moral como o conjunto de regras de convívio com os outros seres humanos, regras que já existem. Contudo, a Ética procura estabelecer o bom modo de viver pelo pensamento humano. Posso até refletir nisso, que o estudo da Ética pode colocar até em xeque as regras ligadas à moral, visto estarem refletindo a respeito sobre os fundamentos de tais regras de convívio.

 Um assunto que pode ser notado nesse estudo, é aquilo que diz respeito ao bom e ruim, ao que é certo e errado. Daí, poderíamos levar em consideração inclusive, aspectos históricos e sociais que norteiam tais conceitos. Podemos sintetizar por exemplo, uma reflexão que Nietzsche faz sobre o conceito de bom tendo como o sentido em sua origem de ser aquilo que é espiritualmente nobre, aristocrático, espiritualmente bem nascido, espiritualmente bem-privilegiado. Sintetizando ainda de forma geral, o conceito de ruim que em sua origem ser o que é plebeu, comum e baixo. Você pode perceber a dimensão social de tais conceitos?

 O que se configura, portanto, em nossa responsabilidade enquanto parte de uma sociedade, integrantes no convívio de uns com os outros? Quais são os valores que temos e o que os justifica? Até que ponto isso pode se aplicar não somente a nós, mas àqueles que são próximos a nós? E até que ponto esses valores que cada um de nós temos, podem ser substituídos? O que nos levaria a tal venda ou negociação de nossa concepção própria sobre o certo e errado?

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

A genialidade de Steve Jobs

 Fiquei sabendo a horas atrás, da morte desse gênio e tenho de admitir o quão chocado fiquei. Para mim, ele é um dos exemplos e referenciais de um verdadeiro profissional que lutou e persistiu mesmo diante de vários obstáculos e situações difíceis. A palestra de Steve Jobs deu em Stanford, me fez ver quão grande era a capacidade desse homem de superação. Segue o vídeo como uma forma de homenagear e nos espelharmos neste que foi um ícone no mundo dos negócios e possuía a receita de fazer o que fazia:

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

cárcere romântico


Eu to preso em sua teia
Por que você insiste se parece que tem tantas barreiras
E se você diz não estar tão envolvida assim?

Me deixe por favor se você não quer se envolver
Deixe eu fazer voltar esse garoto romântico que estava durmindo
E que pensei que estava morto.
Aquele que idealiza tantos planos e que não estabelece contato com a realidade

Deixa eu escrever sobre outras coisas a não ser sobre o amor
Me liberte para que eu possa voltar a ser aquele cara racional
Que acredita que os sentimentos são gerados por nós mesmos
E podemos desligar em botões de nosso contato com a realidade

O que que Afrodite está fazendo comigo?
Será um castigo por jogar uma arte criada por ela?
Quando resolvo acordar para uma realidade mais "racional"
Você aparece e me enrola de novo.
Me confunde e me perturba

O que você quer então?
Me deixe por favor se você é uma jogadora
Se você não pensa em compartilhar do que eu penso em compartilhar contigo
Deixe eu acordar e botar a minha parte mais romântica e sonhadora dentro de um baú durmindo

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O ciclo do herói






 O monomito, conceitualizado por Joseph Campbell, é a trajetória observada nos hérois de nossas histórias e mitologias. Podemos observar que, de uma forma mais simples, pode ser chamada de a "jornada do herói". Um exemplo a se notar, é em Star Wars, onde George Lucas faz uso dos elementos básicos do monomito.

 E que elementos seriam esses? São três: separação, iniciação e retorno

 Somos heróis da nossa própria existência. Não seríamos nós os próprios mitos encarnados? Campbell afirma que as próprias histórias e mitos têm como finalidade auxiliar o ser humano na busca dos problemas simples e complexos relacionados a sua vida, como o sentido da vida. O herói emerge como o ideal a ser alcançado, aquele que  chega mais próximo dos deuses e que representa a providência em meio ao caos existencial.

 Diante de um conflito no qual os recursos são escassos, esse herói terá de se separar e iniciar uma jornada em si mesmo e em mestres para alcançar acesso a maiores recursos. Uma vez dotado de tal capacidade, se torna necessário o retorno, torna-se necessário fornecer providência à sua comunidade na luta contra seus conflitos externos e/ou psicológicos. Esse herói se submete a morte para que possa retornar em uma forma glorificada, de forma que possa irradiar e espalhar os valores fundamentais a espécie humana.

Para maiores informações, recomendo o livro "O herói de mil faces" do Joseph Campbell.

sábado, 27 de agosto de 2011

Desabafos etílicos

 Se você acha que eu vou ficar à sua disposição
 Você está completamente ENGANADA 
 Não vou ser objeto de engradecimento do seu ego
 E nem tampouco vou ficar te venerando esse tempo todo

 Vou encontrar recursos pra te esquecer
 Em outras mulheres, no alcool ou no que for preciso
 E não pense que vou ficar suspirando de amores
 Por alguém que conheci em 10 minutos

 10 minutos que me fazem escrever esse texto
 Nessa situação
 Em que já não distinguo muito bem as letras
 Em que estou quase trocando as palavras

 Chega disso, eu tenho que apagar esse sentimento
 Isso só pode ser uma paixonite que me destrói
 Eu acho que vou superar isso 
 Essa experiência de 10 minutos
 Por Deus, eu juro que de todos esses momentos
 Fico me perguntando, por que estou assim?

 A vontade que tenho é de compor
 Uma melodia dramática
 Algo que tente expressar a vontade no meu peito de explodir
 Em pensar o quanto poderia ser interessante te conhecer melhor
 O quanto poderíamos faze loucuras juntos
 
 E tudo que eu tenho é um eco
 Um eco que ressoa da minha própria voz
 Por favor, me esqueça
 Me apague de seus contatos
 Porque já não estou mais afim dessa brincadeira
 Não quero mais brincar contigo, quero é beijar teus lábios somente uma vez mais

 Tenho que continuar fazendo a arte de Vênus florescer
 E quem sabe por isso mesmo que eu não fui derrubado por ela
 
 Palavras de um bebado no meio da noite
 Que prometeu tentar te esquecer
 Que não aguenta mais ver sua face refletida em uma imagem virtual

 Se é certo ou errado sofrer por isso
 Quero que se dane tudo
 Apenas estou vivendo
 Vivendo o momento em que talvez
 O sentimento supere as técnicas dessa vontade terrível

 Me abandone
 Talvez seja melhor para nós dois
 Esqueça desses 10 minutos
 Talvez para ti não tenha sido tão importante
 E para mim talvez não seria,
 Se não me desse vontade de te querer mais

Mesmo estando nos braços de outras
Por que eu quero estar nos seus?
Retira de mim essa maldição e me esqueça definitivamente.
Desconsidere as palavras de um embriagado que só gostaria de voltar ao ponto de onde não queria ter saído
 Ao ponto em que talvez te conhecer
 Fosse a melhor coisa,
 Fosse a crença de que esse sentimento forte não existe
 E de que somos responsáveis pela existência dele
 Grande mentira!

 O que me resta são as certezas incertas
 São as visões sem te ver
 E talvez a dúvida
 De que talvez você nunca vá ser real em mim

 No mais, quero que tudo isso vá se danar!
 E que eu viva a vida da melhor maneira
 Sem pensar em você do meu lado.
  
 Já falei muito 
 Talvez o que eu precise seja durmir
 Para mais uma vez voltar ao meu velho ciclo vicioso
 Ao meu jogo que parece que não tem fim 
 E que se apodera de mim
 Mesmo a salvação encontrando-se longe demais

Dia do Psicólogo

 Neste dia quero parabenizar a todos aqueles que já são ou estão em formação, como eu, um feliz dia do psicólogo. O ser humano é um elemento que de longe é complexo de se estudar. Mas é um desafio e um prazer poder compreender as diversas teorias que abrangem esse entendimento e, acima de tudo, a relação estabelecida com o próximo, nos dando a possibilidade de apreciar a humanidade em suas diferentes faces.

 É uma missão árdua? De fato. Porque nesse estudo se procura compreender o ser humano em suas diversas áreas, entre elas a social, o que nos dá uma responsabilidade mais ampla do que aquilo que é singular, a menor parte de uma estrutura. Ficamos, além do indíviduo ou um grupo. Ficamos também com uma implicação política do que faremos com esse indivíduo dentro da sociedade. Considerar a produção histórica desse ser humano em nossa história e o que lhe forma na atualidade se torna mais uma missão desse profissional.

 E além disso, a posição que este tem para fazer jus à sua formação: a responsabilidade de promover a saúde de todas as formas e em todos os grupos e classes, o posicionamento quanto ao ato médico, uma missão de consciência mais ampla da sociedade em relação a doença mental, o estabelecimento de um saber coletivo e de desconstrução dos paradigmas dominantes e enrijecedores.

 A todos um feliz dia e que possamos refletir o nosso papel em meio a sociedade

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Eu e Orpheu

Impressionante como estou fazendo o contrário
Durante muito tempo aprendi muita coisa a respeito da arte do amor
Mas quando um sentimento arrebatador vêm,
Toda técnica e sabedoria parece que me some
E daí ajo precipitado feito uma criança
Perdido, não conseguindo encontrar um ponto intermediário
Perdido, só vejo extremos de uma forma muito louca

Será que todo esse tempo de experiência com outras
Não me ensinaram nada?
Ou sera que me foram úteis?
Será que eu pude aprender de alguma forma
Que entregar-se a essa coisa arrebatadora talvez seja algo necessário

Deixo as ninfas e animais aqui na terra
E desço até o inferno da minha existência
Tento te encontrar, dar sentido a forma que você está formada em meu interior
Dar alguma luz a essa sua imagem turva, enigmática
Tentar transformar isso que é ponto de interrogação
Em alguma certeza, em algo estabelecido
Para que eu possa tocar uma serenata
Para criar alguma arte em forma de melodia e harmonia

Só quem conhece poderia entender o sentido dessa analogia
Como se um personagem se voltasse contra mim mesmo
Como se tivesse despertado forças sem saber as consequências
Os dramas despertos em um mito distante,
Mas talvez agora, próximo de mim, porque o invoquei

Agir feito criança
Paixonite
Tempo
ponto de interrogação

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

4 idéias constantes em uma noite solitária

Eu quero te pedir perdão
Você já me disse...
Que não é preciso
Mas eu me sinto nessa dívida
Em uma dívida que não posso pagar

Se você está lendo isso, já pare por aqui, não continue lendo
Não quero que você sofra
Talvez eu agora nesse momento que você está lendo esteja melhor
E você também
Por isso se você decidir ler isso, simplesmente faça como se lesse pensamentos de um total desconhecido

São tantas palavras que não consigo organizar por aqui
A minha mente se inquieta diante dessa sensação de perda
E a cada linha mais palavras brotam do meu coração para minha mente

Em primeiro lugar
Não posso pagar as dívidas das promessas feitas
Feitas em um momento sublime
Em um momento único
E de recordá-las me sinto mal

Mal porque sei que se o roteiro de nossa novela
Não tivesse sido alterado
Essas promessas poderiam ter sido realizadas

Em segundo lugar
A idéia que me vem é de luto
Luto dessas promessas, da imagem idealizada
Que estava projetada, marcada em mim
E agora eu tenho que apagar

Engraçado, agora me lembrei de um amigo
Que ao tentar apagar um desenho, acabou se machucando

Em terceiro lugar
Eu quero louvar a sua nobreza
Poucas pessoas fizeram e fazem isso
Por isso você se torna alguém muito especial
A sua nobreza em fazer com que você
Tentasse destruir a sua imagem em mim

Será que você percebeu a minha confusão
Eu tenho uma história contigo
Tenho sentimentos por você
Que se apegaram a mim
Mas eu estou tomando um rumo diferente

Queria te levar mas não há essa possibilidade
E só você pra perceber isso
Visto que estava tentando como um louco
Tentando segurar vocês

(Escutando Djavan as coisas ficam um pouco mais difíceis)

Em quarto lugar
Se faz presente o renascimento
Essa possibilidade que você me dá
De poder te trazer de volta a vida
como uma fênix
Em novas plumagens, em uma nova forma

Eu acho que estou bem
Mas só terei certeza
Quando souber que você está feliz

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Distância

Ah... distância que me consome, que te consome
Nos consome
É um querer, desejo, paixão, amor...
Palavras que não preenchem 5 centímetros da distância que preenche o espaço entre eu e você
Esse sentimento que me faz ir em direção ao abismo de perder a noção
De desejar jogar tudo pro alto e desfrutar, te fazer plena comigo junto a ti

Ai está você, a Eurídice que aparece em minhas noites
A sereia que entoa cantos, promessas de um futuro de prazeres
E eu mais uma vez, vou ao inferno da minha existência
Te procurar, encontrar aquilo que me faz sentir vivo, que recupere meus sonhos infantis
Retorno então, a mais uma odisséia, ao turbilhão do desejo, dos prazeres de uma mulher
E dessa vez, me frustro
Como em uma miragem, tento te alcançar e não consigo
E essa vontade aumenta, essa tolice se torna aos poucos uma loucura

Quero te ter aqui, quero ir ai
Não me importa a localização do meu corpo
Só quero que ele esteja ai
Perto de ti,
come back to my heart

sábado, 13 de agosto de 2011

Onde estão os motivos

 Fica difícil entender certos porquês.
 Tá, eu sei que muitas vezes, temos que aceitar as coisas do jeito que elas são
 Mas eu queria por um momento me situar,
 Me sinto em um labirinto, sou um prisioneiro em um labirinto que nós dois construímos
 Acessei as partes mais profundas e viscerais do meu ser
 Encontrei personagens, figuras míticas, formadas por sentimentos intensos
 E deste lugar que me encontro falando e gritando
 E gemendo

 Talvez seja fácil se libertar dessas figuras, para uns
 Enquanto para outros, se torna tão agradável interagir com elas
 E mergulhar cada vez mais
 Quando entro em contato com os seus olhos, é como se me perdesse em mim mesmo
 Ou em você
 Quando sinto o seu abraço, a pressão do seu corpo
 Estou envolvido, já não consigo mais voltar do ponto aonde retornei

 Pra que palavras no nosso caso, se já dizíamos tudo de outras formas
 Mais intensas, mais suaves
 E agora, me vejo perdido em todas essas memórias
 Precisando de algum sinal não verbal
 Que me mostre o caminho de volta para casa 

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Hospital, internações e profissionais de saúde

 Estive internado a uma semana atrás pra fazer uma operação simples, coisa que durou uns 2 dias e vejo o quanto o ambiente hospitalar é um lugar delicado quando falamos em lidar com pessoas. Ser atendido por profissionais competentes e com um senso de humanidade se torna o mínimo possível a se fazer.  

 Aonde estive internado foi até tranquilo. A maioria, ou senão todos de uma forma geral, se mostraram empáticos durante o período em que estive internado. É bem certo que até mesmo diante disso, o ser humano que fica naquele leito ou esperando uma cirurgia se torna uma pessoa sensível por demais: longe de seus familiares, de seu lugar de descanso original, restrigido a um espaço físico que não é seu e nem dominado por ele, estando dependente dos profissionais que se encontram presentes, desprotegido das informações que são lhe passadas a respeito da situação de saúde em nosso país e tantos outros aspectos que o fazem se tornar frágil naquele ambiente.

Se torna necessário da parte dos profissionais de saúde, todo um cuidado ético quanto as expressões, atitudes e palavras em relação ao paciente e seus familiares, que também estão fragilizados pois se encontram longe. Vejo o quanto se torna importante certas habilidades a serem manifestas nos dias de hoje com um modo de pensar focalizado na tecnologia e naquilo que podemos considerar de conhecimento especializado e técnico. Habilidades tais como carisma e empatia que acredito que não se trata somente de uma questão de personalidade, mas que todos podem ter de diferentes formas. Talvez possa falar isso em tópicos futuros.

 Olhando essas questões, acredito que o trabalho da Psicologia pode atuar como facilitador para promoção e atenção não só do paciente fragilizado, como do profissional de saúde que também pode se encontrar desgastado diante de tantas situações vivenciadas em seu ambiente de trabalho e fora dele. É uma pena que o espaço do psicólogo ainda se encontra pequeno, nos resta a esperança de que tal lugar se expanda mais para promoção da ética entre cuidador e paciente enquanto em um ambiente hospitalar.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

As pessoas e seus relacionamentos (Dia dos amigos)





Alguém já disse uma vez que ninguém é uma ilha. Estamos rodeados de pessoas ao nosso redor, a humanidade nos envolve e da mesma forma nós a envolvemos. Por isso nesse dia gostaria de falar sobre o relacionamento com essas pessoas que se destacam em nossas vidas.

 Uma das habilidades que considero super importante é a arte de atrair as pessoas para junto de si. A arte do carisma é algo que flui com o nosso jeito de ser, basta estarmos abertos a compreender certas coisas.

 Em primeiro lugar, não existe um manual de como ser humano. Mas é interessante perceber quantos estão preparados a fazer julgamentos como se já tivessem tal manual. Vamos admitir, existem várias visões de mundo e porque não respeitar? Quando julgamos, estamos julgando a nós mesmos também, considerando que há uma realidade única que é interpretado pela nossa verdade. E tal tipo de julgamento pode consumir, extinguir as nossas possibilidades de evoluirmos, de desfrutarmos a vida de uma forma mais realista, considerando o quanto o outro pode ser importante.

Não se feche. Deixe fluir os seus canais de comunicação com o próximo. Identifique aquilo que pode ter uma intenção positiva naquele vizinho chato, em seu patrão, seus familiares. Se aproxime da realidade daquela pessoa. Talvez assim poderemos construir relacionamentos mais genuínos e autênticos, quando o entendimento parte de nós para com o outro. E assim, podemos exercitar o altruísmo e lançarmos mão um pouco do egoísmo que levanta muros e separa pessoas, grupos e nações.

Um ótimo dia dos amigos a todos. E uma pequena homenagem àqueles que cercam minha vida, desculpe se não deu para colocar todos, eu gostaria de colocar, mas foram as fotos que encontrei, Que todos se sintam homenageados, aqueles que passaram pela minha vida e os que estão ainda presentes.









Harry Potter 7 - final: assista online

 Assista por aqui a última parte da saga deste personagem que tem feito sucesso há 7 anos. Espero que curtam e se divirtam:

terça-feira, 19 de julho de 2011

Relacionamentos pais e filhos: ameaças e castigos

 Refletindo sobre os relacionamentos pais e filhos, em que muitas vezes os pais fazem uso de uma suposta força para disciplinar seus filhos. Reflito nessa suposta força muitas vezes como aquelas ameaças: "não faça x senão vou te bater". E penso de fato se este discurso que possui uma futura manifestação de poder tem alguma utilidade para uma criança. Será que não é uma forma desses pais se utilizarem de certas demonstrações de superioridade diante de uma situação que pode fugir ao seu controle?
 Penso se não haveriam outras formas de se relacionar com uma criança além das ameaças de punição física, pensando nesta relação em que o pai/mãe se encontra numa situação de apoio para o desenvolvimento de seu filho, visto ter um maior conhecimento do mundo do que a criança, que se encontra como uma exploradora da realidade que a cerca. Como colocar os pais em uma posição de maior recursos para servirem melhor como apoio para seus filhos? Ou será que essa estratégia ameaça --> castigo é a mais viável?  O que seria mais viável para o desenvolvimento desta criança?

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Linha do tempo

Em PNL, existe uma técnica de acessar recursos importantes chamada Linha do tempo. Imagine, por um instante que você está andando em um lugar gramado e vezes e mais vezes você segue aquele caminho, repetidamente. O que irá acontecer?

Será deixada uma trilha. Assim como acontece ao andarmos continuamente, repetidamente por um mesmo caminho na grama. Pode ser que seja a mesma coisa com nossos estados, a forma que nós nos sentimos. Passamos por uma determinada experiência e, sempre que nos lembramos daquela situação e do significado que damos a essa situação, a nossa mente retorna a caminhar nas marcas deixadas quando vivenciamos aquele momento.

Até mesmo, essas experiências ficam marcadas de uma forma que não se torne preciso nem lembrar. As marcas poderão ficar lá, escondidas em algum lugar no nosso campo de possibilidades. Da mesma forma, estamos todos atravessados pelo poder do tempo: as referências do passado, as escolhas do presente e as possibilidades do futuro.


quinta-feira, 23 de junho de 2011

Minhas adoráveis ex-namoradas

Taí um filme que recomendo para esse final de semana: Um fotógrafo solteirão e sedutor que consegue ter várias mulheres resolve ir ao evento que ele mais detesta, um casamento. E se trata do casamento do seu irmão mais novo. Passado, presente e futuro o aguardam no decorrer do filme proporcionando uma experiência que irá alterar sua vida.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Dengue



Esse texto foi gerado a partir da morte de uma jovem que conheci recentemente, embora pouco. Penso o quanto de potencial de vida não foi interrompido por causa de uma doença que está entre nós há tanto tempo e que continua matando.

A dengue não é somente uma responsabilidade governamental, o governo não dá conta dessa situação, infelizmente é a realidade. A dengue se torna uma responsabilidade da coletividade, que se faz presente a partir de uma mobilização da afetação de alguém pelas implicações envolvidas na situação. Irei discorrer um pouco mais sobre essa questão de responsabilidade coletiva mais adiante.

Que possamos pensar em quantas possibilidades de vida não estão cessando, sendo interrompidas pela desatenção de algo que é responsabilidade do povo também. Quando se for parar para ver, alguma consequencia já tenha ocorrido.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Tensão => Vida

Nos últimos dias, tenho pensado na via como sendo ocasionado por um nível de tensão que se dá na existência. Uma tensão que produz um potencial tal, algo que pode vir a ser. Se o universo foi criado por uma grande explosão, pelas palavras de um criador ou até mesma por ambas as coisas (por que não?), então houve alguma tensão, algo que fugiu de um ponto morto, inerte.


Posso citar outros exemplos de tensão que podem trazer a tona um potencial, algo que poderá vir a ser. Poderia colocar o nascimento de uma criança como uma forma de tensão, aquele momento em que uma vida sai para fora de um lugar acomodado. Outra situação é até mesmo o encontro de um espermatozóide com um óvulo, quanta tensão é ocasionada a partir desse encontro? Enfim, há outras situações: a entrada na adolescência, a menstruação de uma mulher, abrindo espaço para um novo gerar de vida.


Todas essas situações anteriormente mencionadas, abrem espaço para um campo de possibilidades que é muito amplo pela sua diversificação de "tornar-se" ou gerar algo. De adquirir de alguma forma o seu espaço de ser, fazer e estar no mundo.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Pegadinha da caveira que da susto nas pessoas - Humor

 Vale a pena relembrar essas pegadinhas que continuam ótimas mesmo depois de tanto tempo de exibição:

domingo, 24 de abril de 2011

eventos de animes

 Esses dias fui a um evento de animes, nunca tinha ido em um evento desse tipo, foi uma sensação engraçada. Engraçada porque quando você já está chegando percebe que está para entrar em um mundo diferente. E de fato é onde aquilo que é real, de alguma forma se aproxima da fantasia ou a fantasia se aproxima daquilo que é real... confusão terrível!
 As pessoas trazem a vida e fazem esse mundo de fantasia e imaginação ficarem mais próximos de si. É interessante porque estar lá é como estar dentro de uma tela de televisão, fazendo parte de um anime ou de um jogo de videogame. Crianças fantasiadas e adultos também revivendo algo que está em suas memórias, se afastando um pouco das questões e problemas do cotidiano, assumindo uma outra forma, um ideal de sua imaginação que continua em suas mentes mesmo diante das responsabilidades assumidas com o passar do tempo.
 Videogames, barraquinhas que vendem acessórios (inclusive comprei um par de luvas que há muito tempo queria ter) e plaquinhas com as mais variadas e esdrúxulas frases (como um quiz sobre a morte de um bolinho de arroz). Há um momento de encenação de personagens, algumas encenações valem a pena ver, outras meio toscas, mas as que valem a pena ver compensam. Para aqueles que querem um evento diferente, procurem um evento desses e você vai encontrar muitos personagens bacanas.
 E quais as suas impressões a respeito de uma feira de anime? Abaixo alguns vídeos de eventos de anime:



sexta-feira, 22 de abril de 2011

Semeador

 Quando um terreno não está mais fértil para se cultivar. De que adianta jogar as sementes ao chão? Mais proveitoso é buscar o terreno onde nasçam as árvores mais belas. Mesmo que as sementes acabem, haverão novas que nascem com as árvores que já cresceram por onde você passou. E logo, novas árvores crescerão nos locais mais inesperados para perpetuar o seu legado

terça-feira, 19 de abril de 2011

Cisne Negro

 Uma bailarina que se move graciosamente como um cisne branco, mas que em seu interior está um cisne negro aprisionado e que inevitavelmente será liberto das amarras psicológicas que o prendem. Assim posso definir esse filme envolvente que traz surpresas a quem for assisti-lo. Como um amante da música, o final foi o mais intenso, com uma dramaticidade intensa acompanhada com a incrível obra de Tchaikovski. Recomendo a todos que querem se aventurar pelo terreno psicológico de uma bailarina marcada por repressões e conflitos, cuja conteúdo reprimido irrompe no decorrer do filme.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Tombo de moto comedia!

Isso parece até rodeio... fica bom até 1 minuto, depois ele fica chorando com a moto

sábado, 16 de abril de 2011

Coisas que se aprendem com um pescador


















 Um executivo americano tirou férias e foi para uma pequena vila de pescadores no litoral do México, por ordens médicas. Sem conseguir voltar a dormir por causa de uma ligação urgente do escritório, na primeira manhã ele saiu para dar uma volta no píer, para esfriar a cabeça. Um pequeno barco com um único pescador atracava, e dentro do barco havia vários atuns robustos. O americano cumprimentou o mexicano pela qualidade dos peixes.

 "Quanto tempo levou para pescá-los?", perguntou o americano.
 "Apenas um pouquinho", o mexicano respondeu em inglês surpreendentemente bom.
 "Por que você não ficou mais tempo para pescar ainda mais peixes?" o americano tornou a perguntar.
 "Eu tenho o bastante para sustentar minha família e dar um pouco para os meus amigos", disse o mexicano enquanto tirava os peixes do barco e os colocava em uma cesta.
 "Mas... o que você faz com o resto do seu tempo?"
 O mexicano olhou para frente e sorriu. "Eu acordo tarde, pesco um pouco, brinco com meus filhos, tiro uma sesta com minha esposa, Julia, e dou uma volta pela vila à noitinha, para beber vinho e tocar violão com meus amigos. Tenho uma vida completa e bastante cheia, señor."
 O americano deu uma gargalhada e se empertigou. "Senhor, eu tenho um MBA em Harvard e posso ajudá-lo. Você deveria passar mais tempo pescando e, com os lucros maiores, comprar um barco maior. Em pouco tempo, você poderia comprar vários barcos com o aumento em seus rendimentos. Finalmente, poderá ter uma frota de barcos de pesca."
 Ele prosseguiu: "Em vez de vender sua pesca para um intermediário, poderia vender diretamente para os consumidores, finalmente abrindo sua própria fábrica de enlatados. Você controlaria a produção, o processamento e a distribuição. Teria que sair deste pequeno vilarejo de pescadores, é claro, e mudar-se para a Cidade do México, depois para Los Angeles, e finalmente para Nova York, de onde poderia gerir seu império em expansão com a administração adequada".
 O pescador mexicano perguntou: "Mas, señor, quanto tempo isso vai levar?".
 Rapidamente, o americano respondeu: "Quinze a 20 anos, 25 no máximo."
 "Mas e aí señor?"
 O americano riu e respondeu: "Essa é a melhor parte. Quando for a hora certa, você poderá vender ações de sua empresa na bolsa de valores e se tornar muito rico. Você poderia ganhar milhões".
 "Milhões, señor? Mas e aí?"
 "Aí você poderia se aposentar, mudar-se para um pequeno vilarejo na praia, onde você poderá acordar tarde, pescar um pouco, brincar com seus filhos, tirar a sesta com sua esposa e passear na vila à noitinha para beber vinho e tocar violão com seus amigos..."

extraído do livro Trabalhe 4 horas por semana

terça-feira, 12 de abril de 2011

Linguagem em Piaget

 A teoria de estruturação da linguagem em Piaget, se dá em uma base construtivista. O construtivismo de Piaget se baseia em uma construção biológica do indíviduo a partir de sua evolução no meio em que vive. Para isso foram estabelecidas as fases de desenvolvimento da criança, uma vez que Piaget propõe que a criança já possui uma inteligência desde o momento em que nasce.
 Essa inteligência, para Piaget, não se baseia em pensamentos lógicos ou linguísticos, mas através das ações motoras do bebê. Tais ações, que são consideradas como reflexos, aparecem como uma tentativa da criança em explorar o ambiente. A partir dessa assimilação de reflexos, o bebê vai adquirindo novas capacidades motoras e cognitivas de apreensão do mundo que o cerca.
Piaget em um momento estraga pulmão
  O conceito de egocentrismo é um aspecto importante para Piaget, pois a criança, inicialmente, possui uma incapacidade inconsciente de não perceber o ponto de vista de outro. Essa incapacidade, se faz presente na linguagem, visto que a criança expressa por meio de sua linguagem, as estruturas cognitivas que já se firmaram a partir de sua experiência individual. Agora, essa criança ainda não consegue estabelecer uma diferenciação dela para com outra pessoa. Então, a sua linguagem expressa as informações de seu próprio modo de ver e se relacionar com o mundo.
 Há uma característica observada nas crianças em grupos que é o monólogo coletivo. Esse monólogo se baseia em que cada criança expressa no meio das outras o seu próprio ponto de vista, não estabelecendo uma forma de se comunicar com o outro. Com o tempo, a criança vai adquirindo maior apreensão da realidade do outro, de acordo com a sua maturação biológica.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

07/04/11 - Um colégio, um jovem, crianças, várias mortes (luto)

 Quero refletir um pouco, a respeito da situação de hoje. Hoje, ver a notícia desse rapaz que atirou em crianças estudantes do ensino municipal me faz refletir inclusive, sobre o meu papel de profissional da psicologia nessa sociedade. Acredito que o psicólogo, de alguma forma tem esse contato com o lado sombrio da natureza humana, um lado que está sufocado por n motivos, mas que pode trazer um conteúdo emocional intenso.
 Se é um monstro, se não é, prefiro me abster de tais julgamentos. Contudo, que sociedade é a que vivemos atualmente? Será isso uma erupção sintomática de algo que ocorre e que muitas vezes, fica oculto em uma nuvem de moralismos, formalidades e omissões?
  Me refiro isso em todos os aspectos que possamos imaginar, não aceitem por completo as informações passadas por televisão, pela internet (incluindo o meu blog). Antes, pensem um pouco "por fora" dessa situação para avaliarem, questionarem o que lhes é transmitido. Com certeza, há várias perguntas nessa história, sobre a situação em si e questões além da situação. Acho que é hora de refletirmos e nos sensibilizarmos quanto ao drama vivido, o que haveria mais de ser feito?

segunda-feira, 28 de março de 2011

Compartilhe algo... como assim?

 Estava pensando esses dias sobre um recurso do Facebook, aquele recurso de compartilhamento em que todos nós jogamos vídeos, textos, imagens e o que mais achamos legal, curioso, bizarro ou o que quer que seja. Particularmente, acho bacana quando há esse botão em algo que gostei porque posso transmitir aquele "o que" que pode servir de informação útil. Apesar de poder compartilhar esse "o que", acho um pouco improvável e impreciso compartilharmos aquele "como".
 Mesmo que possamos definir por palavras, acredito que o "como" é mais que uma manifestação verbal. Penso que envolve uma troca de energias passadas pelo olhar, tom de voz, proximidade e outras coisas que complementam e nos permite uma aproximação maior com os sentimentos de uma outra pessoa. É aquele contato pessoal que nos permite ir além de simples palavras, mas que alcança e atravessa a nossa existência, quando nos aproximamos da existência dos outros.
 Sinto muito Facebook, mas acho que por aqui nunca vai ter um compartilhamento pleno de nossas existências, do fluir natural que está em nós que vibra, ressoa e entra em contato com o fluir de outro. 
 Pensamentos de alguém que queria nesse momento ter nascido a 50 anos atrás.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Palavra subjetiva

 Eu quero uma palavra
 Que possa expressar o sentimento visceral que habita
 Em alguma parte interior
 Em um lugar onde não tem alguma influência externa
 Uma profundidade relativa e obscura
 Escuridão iluminada, iluminação em trevas
 De onde na certeza habita as incertezas
 De que há alguma individualidade
 Uma tentativa desesperada de encontrar algo
 Que seja único e meu
 Seja íntimo e atinja
 De forma clara, sem rodeios
 O objetivo certo de minha incerteza

quarta-feira, 23 de março de 2011

Refletindo com o Pequeno Zangief

 Um vídeo que achei para compartilhar sobre esse adolescente que ficou conhecido como Zangief Kid. Dá pra se entender o quanto ele sofreu de bullying, sendo a sua reação apenas uma manifestação de algo que estava o sobrecarregando a tempos. Também é um alerta aos pais para prestarem atenção na saúde emocional de seus filhos, não somente a física.

domingo, 20 de março de 2011

Evelyn Gleenie, uma professora na arte da percepção e expressão musical

Um vídeo bem legal que encontrei no Ted sobre uma palestra da Evelyn Gleenie, uma percussionista de peso entre os músicos que para mim, junto com o maestro João Carlos Martins, se torna um exemplo de dedicação a música. Ela se tornou um exemplo de superação de limites, como você poderá observar nesse vídeo em que ela fala sobre percepção musical e a expressão do artista na música. Um dos pontos que achei mais interessante em sua palestra foi sobre a aplicação prática de certos exercícios musicais, em sua forma de pensar na qual esses exercícios técnicos têm de fazer algum sentido musical para o estudante de música.

quinta-feira, 17 de março de 2011

O que nos impede de sentir um pouco outros sentimentos além da felicidade?

 Tenho pensado que somos pressionados de uma certa forma a estarmos  sempre e felizes e satisfeitos com tudo. Lateja em nossas mentes o ideal de alguém bem sucedido que está o tempo todo sorrindo, daqueles que à sua volta sorriem junto com ele e continuamente tem tudo correndo na mais perfeita ordem: suas finanças, família, amigos, vida amorosa. Posso pensar também nas inúmeras palestras motivacionais, livros de auto-ajuda entre tantos que enfatizam a felicidade, como se ser feliz fosse a única coisa a ser sentida.
 Ser feliz pode ter se transformado até mesmo em uma obrigação nos dias atuais. Você possui um emprego no qual trabalha 10 ou mais horas por dia, condições péssimas de se trabalhar, mas mesmo assim tem de arrumar um sorriso no rosto como se nada estivesse acontecendo. Ocorrem palestras, seminários de motivação e mesmo assim sem chegar a nenhum resultado concreto, a nenhuma mudança ambiental que proporcione melhor padrão de vida profissional e psicológico de um funcionário. Quando há falações sem atitudes de mudança, se torna um show de masturbação mental.
 As emoções se tornam motivadores para agirmos, é a característica mais primitiva da nossa existência humana. A própria linguagem, quando não é carregada com emoção, pode fazer dormir o mais atento dos ouvintes. Há pesquisadores que afirmam que a emoção é um sistema bem mais intenso se comparado com o sistema lógico ou cognitivo que possuímos.
 E de alguma forma, essa motivação para agir pode se tornar reprimida por um sistema social que prega a constante ênfase em um sistema emocional. Dessa repressão, acredito que haja um estouro de depressão e outras coisas que tornam o indivíduo refém, que era antes da obrigação de ser feliz e satisfeito, agora dos seus próprios sentimentos idealizados e perdidos na frustração de não ter e ser aquilo que ele compra com a sua aceitação.
  Fabricam-se dependentes de felicidade: de medicamentos, álcool, jogos, comida, drogas, internet... o que temos são compulsivos de tantas coisas na esperança de aliviar, preencher e descarregar o drama emocional em que vivem dia após dia. Me recordo do livro que terminei de ler: Admirável Mundo Novo, um livro que fala sobre um mundo regido pela lei da felicidade imposta por remédios que deixam a população em um estado contínuo de satisfação.
  Presos em um ciclo de vida miserável sem perspectiva, sem poder direcionar suas emoções em direção aquilo que desejam, dependentes de projetos inacabados, reclamadores e murmuradores dos outros, quando suas questões repousam em si mesmos, seguidores irracionais de ídolos que são da sua mesma espécie, mantenedores do próprio sistema que os aprisiona e os mantém passivos e reféns.

quinta-feira, 10 de março de 2011

De R$ 2,80 para R$ 3,10... como o Metrô Rio quer que ganhemos dinheiro?

 O metrô é o transporte mais rápido em terra. Passando por subterrâneos, a música clássica em suas estações para tentar acalmar seus passageiros que não estão prestando atenção nessa música e nem sentem o ar condicionado. Porque estão espremidos por outras pessoas e o ar condicionado não dá vazão, além do risco de você poder estar em um cecê coletivo que impregna o interior de alguns vagões. Exagerei um pouco, poderia ser pior, poderíamos estar falando dos trens da Supervia.
 O que mais pode fazer o metrô carioca se tornar o mais caro do Brasil a partir do dia 2 de abril? 

terça-feira, 8 de março de 2011

Mulher: a mais perfeita forma de criação da natureza


 Embora seja divertido fazer piadas sobre o sexo feminino (e também seja divertido fazer sobre nós homens). Dedico este momento de escrever às mulheres em mais um dia do ano de comemoração ao dia delas. Não vou falar sobre clichês óbvios como o dia da mulher é todo dia (dããã).
De alguma forma, acredito que é um exercício para nós homens apreciarmos uma mulher em todos os sentidos. Apreciação do seu corpo e também de seu modo de pensar, olhares, gestos, modo de falar, a textura de sua pele, cabelos, sorriso... quero e desejo apreciar essa maravilha natural a cada dia.
 Sereias, dominadoras, sensíveis, agressivas, histéricas, determinadas, inseguras, frágeis, fortes, criativas, atrevidas, cuidadoras, trabalhadoras, vaidosas, despojadas... são tantos lados e tantas características que se tornam um mistério sedutor para nós homens. E essas com certeza podem se tornar em um poder atraente para nós homens.
 A figura feminina representada pela mãe, amiga, mulher, amante fazem presentes na história da existência humana. E é a tais representações que ofereço a homenagem desse post. Sejam apreciadas agora e sempre.


terça-feira, 1 de março de 2011

Ah... a volta a faculdade!

 De volta para faculdade... com suas bibliotecas cheias de livros, várias escadas, professores dos mais variados tipos: que viajam ao dar aula, que passam vários trabalhos, exigentes, caxias, relaxados, simpáticos, falantes... eles estão ai, escolha o seu favorito porque pegar esses e de outros tipos é um fato.
 Há os movimentos políticos, penso que esses movimentos serão eternos em uma faculdade, vai ter sempre alguém descontente com alguma coisa. A infraestrutura e as questões administrativas que só uma faculdade pode ter para deixar o estudante pau feliz da vida.
 Existem também as festas, chopadas, vinholadas, encontros religiosos e os tradicionais encontros de bar, o que tiver disponível ao seu gosto pessoal você poderá encontrar. Se há um lugar onde você pode encontrar diversidade de pessoas é na faculdade: hippies, pagodeiros, roqueiros, playboys, patricinhas, jovens, senhores, chefes de família, curtidores da vida, religiosos, ateus, cdfs e por aí vai. O que na minha opinião, é essa diversidade que deixa a faculdade mais bonita e cheia de vida.
 A tradição das provas e trabalhos se tornam algo incrível na vida do aluno. Incrível porque possuem o incrível poder de deixar o universitário enrolado sempre no final do semestre, levando-o quase a um surto. Um lanche na cantina pode aliviar a pressão, o joelho nosso de cada dia que está lá para fortalecer e aliviar a ansiedade ou satisfazer o desejo de comer alguma besteira não nutritiva.
 Será que existe mais alguma coisa que esqueci de mencionar?

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Pensamentos sobre o poder da música


 Fazer música é como contar uma história. O poder de uma história bem contada nos faz viajar em nossa imaginação e assim podermos criarmos as cores, detalhes, sons, sensações e o que mais tiver no conteúdo daquilo que é relatado. E esse conteúdo da nossa imaginação nos permite experimentar os mais variados temperos emocionais.
 A música cantada ou não possui esse poder em especial. Na minha visão, esse poder se manifesta não somente pelo conteúdo poético, mas pelos outros elementos sonoros reforçam essa manifestação artística. O ritmo, a harmonia e a melodia trazem um colorido especial para o conteúdo poético, transformando aquilo em um todo cheio de vida e expressividade própria.
 Ainda tenho que ler algo sobre, mas tenho quase certeza que esses elementos (ritmo, harmonia e melodia) estão presentes na história biológica do homem mesmo antes dele inventar as palavras em si. Acredito que esses elementos musicais alcancem áreas cerebrais mais primitivas do que a área responsável pelo entendimento da linguagem.
 A beleza da música está em nos fazer transceder os nossos limites de conhecimento da realidade e os nossos limites emocionais, trazendo inspiração e abrindo um canal de contato com aquele ser humano em essência, rompendo as couraças sociais e culturais que possuímos.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

A música de Esperanza Spalding X A música de Justin Bieber


 Com o atraso de uma semana, pude saber do vencedor na categoria revelação do Grammy 2011 e me deparo com a figura inesperada de Esperanza Spalding (multi-instrumentista de jazz, cantora e também professora da "Berklee College of Music") ao invés da vitória de Justin Bieber (cantor pop).
 Particularmente, olho com certa desconfiança para o que é apresentado pela mídia hoje em dia. Muitas vezes, botam uma ou duas músicas para tocar nas rádios ou aonde quer que seja apresentando como "hit". O que pode algumas vezes, a música ser muito boa. Não sou contra o pop, apenas vejo que tudo, especialmente aquilo que é popular, tem que ser visto com um olhar crítico e pessoal. Ao invés de aceitar incondicionalmente, fazendo parte de mais um entre a multidão sem referências a mais que podem moldar a personalidade. Já houve casos em que achava legal uma ou duas músicas de alguma banda ou artista e quando fui baixar o cd e as outras músicas estragavam literalmente o cd, por abordarem o mesmo tema nas letras ou por conterem os mesmos arranjos ou ambos! Um insight que me surgiu agora é que as pessoas (e eu também me incluo como pessoa...) transferem a qualidade de uma obra para o artista/banda e passam a aceitar sem limites tudo o que é feito por eles (não é a toa que tem artista escarrando em cima do público e esse público acaba gostando disso, nojento mas é a realidade).
 O que é mais tosco ainda, são os ataques virtuais dos fãs em páginas da internet da cantora, desejando a morte dela e o escambau a quatro. Para mim, é mais uma forma de trollice da web, uma manifestação por demais emotiva e desnecessária. É a adolescencia do mundo superglobalizado pela internet.
 Além do mais, é como se Esperanza Spalding fosse culpada de ter ganho o prêmio. Se eu ganho algo, é porque mereci aquilo de alguma forma ou o doador quis me dar aquilo, certo? Se a  moça talvez é culpada de alguma coisa, deve ser por ter longos anos de dedicação musical, um domínio incrível de diversas linguagens musicais, de vários instrumentos e um controle vocal, conseguindo botar a pressão no momento certo e ser suave quando preciso. Uma coisa que acho até importante de enfatizar, esse domínio de várias linguagens musicais a permitem fugir dos clichês musicais atuais e presentes.
 Esse é a minha análise pelo que ouvi em seu último álbum "Chamber Music Society" e li em sua biografia. Fui escutar também o "My Worlds" do Bieber. O álbum do Bieber é até maneirinho, para uma festa, colocar uma ou duas músicas. Porque parece que há uma tendência neste álbum de manter sempre o mesmo clima, não surpreendendo muito, ou melhor, não surpreendendo em nada. E dei uma olhada em sua discografia, pelo menos aparecem três cds, a mesma quantidade de cds produzidos pela Spalding, sendo que de produção de músicas, achei o trabalho muito fraco. Muito fraco olhando pelo fato de que várias músicas se repetem nos 3 cds e são poucas músicas novas em relação ao fato de que são 3 cds produzidos. E apesar do muleque cantar bem, fiquei cansado da voz dele. Depois de umas 5 músicas, vou parar de escutar Bieber escutar e conhecer um pouco da Mallu Magalhães.
 A minha posição fica a favor da Esperanza pela vasta experiência musical que esta possui e pelos atributos e da minha análise pessoal mencionadas anteriormente. E esse post é apenas uma manifestação daquilo que penso, se for escutar algo do Bieber futuramente e gostar poderei até mencionar por aqui. O que você acha a respeito?

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

O que posso fazer com R$ 5,00 a mais?

Esse é o salário que vamos ganhar de aumento, ou até menos se for contar moeda por moeda...
















 Há algum tempo atrás, li em um desabafo do Facebook que o salário mínimo iria aumentar. Aumentar para R$ 5,00!! Não acha isso ótimo?!? Os aumentos de R$ 20,00 e R$ 40,00 foram negados em votação pelos parlamentares lá de Brasília. Confira a relação dos políticos que votaram para esse GRANDE FEITO da democracia brasileira nesse link sobre o salário de R$ 560 e nesse outro, a respeito do salário de R$ 600.
 Mais uma salva de palmas para a democracia brasileira que se faz tão efetiva nesse momento. E nossos representantes aprovaram um aumento de 133,96% para eles. Confira aqui.
 Talvez os coitados não tenham grana o suficiente para se sustentarem. E para o sustento deles, talvez futuramente eles tirem nossas casas e nossa comida. Que tal? Às vezes acho que é um caminho sem volta e estamos em um feudalismo contemporâneo.
 O que eu faria com R$ 5,00 a mais? Eu compraria balas. E vc, o que faria?

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Medo do medo que dá


 Medo... já pensou quantas vezes já teve essa experiência? Muita vezes, uma experiência que é vivenciada por alguma coisa que percebemos em nosso cotidiano que gera uma série de reações biológicas e mentais que interpretamos de alguma forma, como uma forma de sobrevivência e preservação de nós mesmos.

 Vc está lá naquela situação, e logo vivencia um amontoado de sensações e interpreta esse monte de reações. Logo, se foca em seus pensamentos, imagens e tudo mais que a sua imaginação pode lhe propiciar naquele momento. Muitas vezes, a situação poderia ser uma oportunidade que está diante de você, uma oportunidade a ser alcançada.
 E o que acontece? Algo acontece para te paralisar e recuar. Para mim é uma das sensações mais curiosas que existem. Nesse momento a adrenalina é liberada e aí, uma decisão tem que ser tomada. Uma decisão de lutar ou fugir. E naquela situação, há uma possibilidade de escolha: escolher entre continuar focado em seu mundo interno ou direcionar a sua atenção para o que ocorre além de você e comparar, uma coisa com a outra.
 Existem por aí técnicas que mostram a trabalhar com a sua imaginação, trocando pensamentos catastróficos por pensamentos mais positivos ou agradáveis. É uma técnica que não desprezo de completo, considero sua relevância. Mas considero, acima de tudo,  a importância de se estar preparado para certas catástrofes, isso requer um trabalho de preparação de comportamento e por que não falar, força de personalidade? Por trás daqueles pensamentos, talvez haja essa intenção positiva, nos prepararmos para o que for acontecer, nos adaptarmos à situação.
 E por que não também pensar no outro lado da moeda também? no lado mais positivo?
 Segue a letra e o vídeo que me inspirou a fazer esse post repentino. Enjoy:
Tienen miedo del amor y no saber amar
Tienen miedo de la sombra y miedo de la luz
Tienen miedo de pedir y miedo de callar
Miedo que da miedo del miedo que da
Tienen miedo de subir y miedo de bajar
Tienen miedo de la noche y miedo del azul
Tienen miedo de escupir y miedo de aguantar
Miedo que da miedo del miedo que da
El miedo es una sombra que el temor no esquiva
El miedo es una trampa que atrapó al amor
El miedo es la palanca que apagó la vida
El miedo es una grieta que agrandó el dolor
Tenho medo de gente e de solidão
Tenho medo da vida e medo de morrer
Tenho medo de ficar e medo de escapulir
Medo que dá medo do medo que dá
Tenho medo de acender e medo de apagar
Tenho medo de esperar e medo de partir
Tenho medo de correr e medo de cair
Medo que dá medo do medo que dá
O medo é uma linha que separa o mundo
O medo é uma casa aonde ninguém vai
O medo é como um laço que se aperta em nós
O medo é uma força que não me deixa andar
Tienen miedo de reir y miedo de llorar
Tienen miedo de encontrarse y miedo de no ser
Tienen miedo de decir y miedo de escuchar
Miedo que da miedo del miedo que da
Tenho medo de parar e medo de avançar
Tenho medo de amarrar e medo de quebrar
Tenho medo de exigir e medo de deixar
Medo que dá medo do medo que dá
O medo é uma sombra que o temor não desvia
O medo é uma armadilha que pegou o amor
O medo é uma chave, que apagou a vida
O medo é uma brecha que fez crescer a dor
El miedo es una raya que separa el mundo
El miedo es una casa donde nadie va
El miedo es como un lazo que se apierta en nudo
El miedo es una fuerza que me impide andar
Medo de olhar no fundo
Medo de dobrar a esquina
Medo de ficar no escuro
De passar em branco, de cruzar a linha
Medo de se achar sozinho
De perder a rédea, a pose e o prumo
Medo de pedir arrego, medo de vagar sem rumo
Medo estampado na cara ou escondido no porão
O medo circulando nas veias
Ou em rota de colisão
O medo é do Deus ou do demo
É ordem ou é confusão
O medo é medonho, o medo domina
O medo é a medida da indecisão
Medo de fechar a cara
Medo de encarar
Medo de calar a boca
Medo de escutar
Medo de passar a perna
Medo de cair
Medo de fazer de conta
Medo de dormir
Medo de se arrepender
Medo de deixar por fazer
Medo de se amargurar pelo que não se fez
Medo de perder a vez
Medo de fugir da raia na hora H
Medo de morrer na praia depois de beber o mar
Medo... que dá medo do medo que dá
Medo... que dá medo do medo que dá

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Entrevista com o Jô Soares

 No meu ponto de vista, Jô Soares é um dos maiores comunicadores do Brasil e um profissional versátil. Segue uma entrevista feita pela Marília Gabriela revelando aspectos da vida deste artista da tv que não conhecia.





sábado, 5 de fevereiro de 2011

Uma nova fase - ficar em casa e desfrutar o tempo vago


 Há algum tempo que estava fazendo um estágio. Você pode estar pensando que é tranquilo, afinal são somente 6 horas por dia. Pois é, são 6 horas mas percebi que haviam coisas importantes ainda que deviam ser feitas com esse tempo.
 Na minha opinião, atualmente, tempo e dinheiro estão andando praticamente juntos. Mas eu não sei até que ponto quero investir meu tempo que poderia ser de lazer/descanso/aprendizado/relacionamento com outras pessoas para ficar em um escritório a fim de ganhar dinheiro. Bem, esses dois anos de trabalho foram um período muito fértil, pude ver os meus limites e agora tenho que, refletir e trabalhar nessas minhas limitações.
 E por isso justamente, vou trabalhar em casa. Claro, sem ganhar nenhuma merreca. É um trabalho de desenvolvimento pessoal. Tenho muitos projetos em mente e já é hora de bota-los para funcionar.
 Bem verdade, que ficar em casa é um pouco angustiante e muitas vezes (ou senão em todas), é um lugar confortável demais para se submeter a um eustresse. A resposta para os meus problemas (pelo menos está funcionando até agora), é uma agenda do Outlook que serve para mim como um lembrete de focalizar em minhas atividades lembrando que sou apenas uma pessoa imersa em um mundo cheio de informações.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Referências para este ano

 Refletindo um pouco sobre o aprendizado do ser humano, de como alguém adquire ou irá adquirir uma nova habilidade, vejo um papel importante de meios externos que podemos adotar nessa caminhada, o que adquirimos como foco para prosseguirmos ou não fazendo algo que nos propomos a fazer.
 Os estudos de Bandura na Psicologia reforçam isso, explicando que o aprendizado das crianças (e por que não dos adultos também?) advém também dos exemplos que são fornecidos a elas, o que denominou de aprendizagem vicária. De alguma forma, modelamos o comportamento de pessoa que percebemos serem "bem sucedidas" naquilo que fazem, avaliando se será conveniente ou não adotarmos um comportamento semelhante a um personagem que vemos na televisão, por exemplo.
  Se observarmos as crianças, podemos ver de certa forma a influência de referências que são importantes para elas, em especial na brincadeira de faz-de-conta. Essas referências que modelam o seu comportamento atual e talvez fique algum rastro disso no futuro. As crianças, segundo Piaget, possuem essa forma de funcionar mais prática, até certo momento claro. Os adultos, entretanto, podem ponderar sobre diversas questões, ter uma capacidade de raciocínio mais abstrata, mas mesmo assim há referências que podem funcionar de forma dramática em seu cotidiano como as que são transmitidas pela tv e internet. Você pode perceber, a moda de gírias ou roupas em determinados momentos, por causa do "zeitgest" que está presente de uma forma geral em nosso cotidiano e é transmitido pelos meios em massa..
 Há, de alguma forma essa força poderosa em nossa mente de pessoas a quem acompanhamos de perto (se os seus olhos forem bons, eles terão luz... como dizia Jesus).  Por isso, pode ser importante ao traçarmos nosso plano de aprendizado, procuramos pessoas que podem ser exemplo nessa área. No aprendizado musical, por exemplo, vejo diversos alunos estudando essas referências, suas formas de se expressarem e adotarem para si de alguma forma. alguém que já possui uma habilidade considerável.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Quem puder doar sangue, doe. Nossos bancos de sangue estão precisando

 Galera, se há alguém do Rio de Janeiro lendo agora esta postagem, vai um apelo para a doação de sangue. Devido ao ocorrido na região serrana, todas as nossas reservas foram para lá e estamos praticamente zerados de bolsas de sangue. Semana que vem pretendo ter essa atitude. Torna-se importante visto que segundo um amigo meu que trabalha nessa área, é necessário mais de uma bolsa de sangue para o paciente. Vamos procurar fazer o possível

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Escolhas

 iIlustração Revista Taxi 15

 Você está lá
 Na beira, prestes a tomar uma escolha
 Há momentos que se tornam uma questão de tudo ou nada
 Esse, parece ser um deles
 No horizonte, há um azul infinito
 No qual a brisa bate no seu rosto
 Por um instante os olhos se fecham
 A respiração se torna mais profunda
 E o corpo todo
 Membro por membro
 Ficasse mais relaxado
 Anestesiado
 Agora, você acessa o seu interior
 E vê que uma decisão precisa ser tomada
 Bastando um passo
 Um passo que irá definir
 O que pode ser melhor:
 Continuar na mesma
 Ou vivenciar novas experiências

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

PNL - Programação Neurolinguística (sob minha perspectiva)

 Muitos não sabem o que é, outros já ouviram falar, aqui estarei falando um pouco sobre esse sistema que pode ser bem útil para o desenvolvimento pessoal.
  Basicamente, A PNL estuda a programação que ocorre em nossa subjetividade, a programação que ocorre em nossas mentes. Para isso, os criadores se utilizaram de diversos estudos (principalmente na área da psicologia) para desenvolver um sistema o mais integrado possível para abordar diversos elementos que podem explicar o ser humano em seus comportamentos e pensamentos, para assim, chegar a determinados resultados em sua forma de se expressar, consigo mesmo e com o mundo.
 O princípio mais básico, é o da modelagem. Modelagem, na PNL, implica em assemelhar os padrões de comportamento/pensamento de uma outra pessoa. Às vezes fazemos isso, consciente ou inconscientemente, tendemos a "copiar" comportamentos ou percepções de outros.
 O que acho mais interessante, principalmente agora que estou fazendo Psicologia, é a utilização das várias teorias desta área, em especial da linha cognitiva, comportamental e gestáltica, a fim de se alcançar resultados desejados. Esse é um outro princípio básico: o conjunto de ferramentas que a PNL propõe tem que ser útil para alcançar algum objetivo. De alguma forma, temos um objetivo, mas algo acontece que não o alcançamos. Às vezes nos comportamos de forma inesperada, pensamos em certas coisas que podem ser propícias para uma "sabotagem" desses planos. Para isso, a idéia é descobrir essa programação mental/comportamental que gera um resultado diferente do esperado.
 Em breve, irei falar sobre os fundamentos e pressuposições no qual esse estudo se baseia.